Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
6/05/19 às 17h06 - Atualizado em 6/05/19 às 17h08

Iniciativa conjunta trabalha para normalizar Vicente Pires

COMPARTILHAR

Comitê de Gestão de Crise funcionará por tempo indeterminado. As intervenções são emergenciais, mas as obras definitivas estão em andamento.

 

As máquinas espalhadas por Vicente Pires evidenciam a ação do Governo do Distrito Federal para minimizar os efeitos da falta de infraestrutura na cidade. O Gabinete de Gestão de Crise, instalado na sexta-feira (3), não tem prazo para cessar as intervenções. São 20 órgãos, entre secretarias, autarquias e empresas públicas, unidos para levar normalidade à comunidade que sofre com a ação das chuvas. Enquanto isso, as obras definitivas estão em andamento, com previsão de conclusão em 2020.

Luiz Carlos Rodrigues, morador da região: “É bom ver as máquinas por aqui, o pessoal trabalhando até no fim de semana para trazer melhorias”

Os resultados já são visíveis: em um fim de semana, foram mais de 35 ações e 15 pistas recuperadas. As ruas mais críticas agora têm circulação, o lixo acumulado por correntezas é recolhido, o mato é aparado e vazamentos são consertados. Enquanto for necessário, todos estarão a postos para resolver os problemas de forma emergencial. Nas ruas, a população reconhece o esforço do governo em minimizar os inconvenientes.

 

“A gente está precisando de melhora, de suporte do governo”, avalia o aposentado Luiz Carlos Rodrigues, 65 anos. “É para beneficiar todo mundo. É bom ver as máquinas por aqui, o pessoal trabalhando até no fim de semana para trazer melhorias.” Há oito anos morador da Chácara 25, na rua 4, ele diz que não vê a hora de as obras definitivas ficarem prontas, mas sente alívio por acompanhar as intervenções acontecendo para minimizar os impactos da chuva na rotina da população.

 

“Recebemos Vicente Pires em situação um pouco complicada por causa das obras iniciadas em 2015 e por causa do período chuvoso que se alongou em pelo menos um mês”, conta o secretário de Obras e Infraestrutura, Izídio Santos. “Agora as chuvas foram embora, pelo menos naquela intensidade, e colocamos todo esse pessoal – secretariado, autarquias, estatais – para que possamos dar normalidade e mobilidade à cidade”.

 

O Gabinete de Gestão de Crise instalado dentro da Administração Regional de Vicente Pires seguirá por tempo indeterminado, mas as ações emergenciais vinculadas não são definitivas. O gabinete é composto por 20 secretarias, autarquias e empresas públicas, que fazem parte de uma força-tarefa multidisciplinar para minimizar imediatamente os efeitos da falta de infraestrutura no local. Entre os serviços, há patrolamento de vias, limpeza de trechos, roçagem de grama, troca de lâmpadas queimadas e instalação de meios-fios.

 

Serviços mais estruturais, como a pavimentação asfáltica, dependem do cumprimento do projeto definitivo das obras de infraestrutura, que está em andamento. São 412 pessoas e 201 máquinas trabalhando em oito dos 11 lotes com projetos já aprovados e licitados. A previsão é que sejam concluídas em 2020 todas as intervenções de drenagem e pavimentação de ruas, construção de lagoas que captem águas de chuva da cidade e as direcionem aos córregos.

Ao todo, serão investidos R$ 460 milhões em obras que atenderão 2,2 mil hectares de área total, beneficiando 75 mil moradores. A pavimentação de ruas chegará a 253,4 quilômetros. Também serão construídos 468 quilômetros de meios-fios. “É preciso entender que não basta parar a chuva”, adverte o secretário de Obras. “Precisamos de um período de tempo seco para fazer a pavimentação asfáltica. Está tudo pronto para isso, as empresas estão a postos.”

 

Gabinete

A coordenação do trabalho do Gabinete de Gestão de Crise fica por conta de Marcelo Galimbert, subsecretário de Acompanhamento e Fiscalização de Obras (Suaf) da Secretaria de Obras e Infraestrutura. O titular da pasta, Izídio Santos, despachará diretamente da administração às segundas e quintas-feiras. Além deles, o grupo é composto pelas pastas de Cidades, Comunicação, Relações Institucionais Saúde, Meio Ambiente e o Conselho Permanente de Políticas Públicas e Gestão Governamental do DF (CPPGG/DF).

Também participam do comitê a Companhia da Nova Capital (Novacap), o Departamento de Estradas e Rodagem (DER), o Departamento de Trânsito (Detran), a Companhia Energética de Brasília (CEB) e a Companhia de Abastecimento e Saneamento Básico (Caesb). Ainda estão presentes o Serviço de Limpeza Urbana (SLU), a Polícia Militar (PMDF), a Defesa Civil, a Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap), o Banco de Brasília (BRB), o DFTrans e o DF Legal. Detentos vinculados à Subsecretaria do Sistema Penitenciário também atuam nas melhorias.

 

O governador Ibaneis Rocha anunciou que destinará R$ 500 milhões a obras emergenciais para que a cidade volte à normalidade após as chuvas fortes. Segundo o Instituto Nacional de Metrologia (Inmet), em maio, o volume de chuvas em 36 horas ultrapassou os 43 milímetros de água, superando, em muito, a média histórica da capital, de 29,7 milímetros. São R$ 150 milhões só para Vicente Pires, cidade que mais sofre por ter sido construída sem infraestrutura de base.

 

Tempestades

A atenção a Vicente Pires não começou após a série de tempestades e nem parou com a chegada das precipitações. Em fevereiro, após um temporal, o governo interveio imediatamente para minimizar os problemas. Mais de 80 bocas de lobos foram limpas, bem como foram removidos entulhos, lixo e cascalho de lugares onde causavam alagamentos. O programa SOS DF também passou pela região. Entre 13 e 15 de março, foram executados serviços de serviços de tapa-buraco, pintura de meio-fio, limpeza e poda.

A Companhia Energética de Brasília (CEB) tem feito a remoção de postes que interferem na execução das vias e da pavimentação, enquanto a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) rebaixa a rede e desloca as válvulas de redução de pressão e dos hidrantes. Ao mesmo tempo, o GDF manteve as obras de drenagem na cidade com escavações subterrâneas e a construção de 182 quilômetros de galerias pluviais e de lagoas para captação das águas.