Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
30/05/19 às 18h19 - Atualizado em 30/05/19 às 18h20

Projeto no Recanto das Emas acolhe pessoas com câncer

COMPARTILHAR

Ana Maria Dutra é a grande idealizadora da Casa de Apoio que recebe pessoas de baixa renda que se encontram desamparadas durante o tratamento da doença

 

O “Projeto Ana – Assistência Nacional Ágape”, nasceu da vontade e da força de Ana Maria Dutra, 56, mãe de 4 filhos, para amparar pessoas vítimas de câncer. A Casa de Apoio, coordenada por ela, fica no Recanto das Emas e, há 6 anos, recebe pessoas do Entorno ou de outros estados que vêm fazer tratamentos de quimioterapia e receber medicamentos em hospitais do Distrito Federal, mas que não possuem lugar para ficar. “Me formei como Técnica em Enfermagem e desde então presenciei pessoas enfrentando diversas dificuldades. Fui ajudando aos poucos até que o Projeto cresceu”, conta Ana.

 

Por meio de campanhas de arrecadação, ela e outras 4 mulheres responsáveis pela Casa, arrecadam doações de alimentos e de roupas, disponibilizados pela comunidade e por pequenos empresários interessados em ajudar. Além disso, elas realizam um bazar todos os finais de semana, com eletrodomésticos e diversos objetos doados por vizinhos, para obter a renda que ajuda a manter o local. Com tudo isso, as 5 mulheres, com a ajuda de aproximadamente 30 voluntários, tocam o projeto e disponibilizam banhos, boa alimentação e camas para pessoas de baixa renda e que estão passando por esse momento delicado da doença.

 

Ana conta que os serviços de fisioterapia, psicologia, terapia ocupacional e a ajuda com alguns medicamentos, também fazem parte do projeto. “São 3 profissionais de fisioterapia e 1 psicóloga, voluntários, que auxiliam os pacientes diariamente aqui na Casa”, conta a idealizadora.

 

Mas o Projeto não para por aí. Além desse acolhimento no Recanto das Emas, são realizadas,  durante a semana, visitas a pacientes em situações de vulnerabilidade no Hospital Regional de Taguatinga (HRT), que são contemplados com lanches, almoço e interação por meio de conversas e orações.

 

Os responsáveis pelo Projeto estão sempre dispostos a receber doações de remédios, alimentos, roupas e serviços voluntariados.